PDF Imprimir E-mail

Formação do Oficial R/2

Escrito por Administrator
Qui, 31 de Agosto de 2006 09:36

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO OFICIAL R/2
Na verdade, do Oficial da Reserva (R/2), uma vez que ele só "fica" Temporário, quando convocado.


 

   Revista Verde-Oliva (uma publicação do Exército Brasileiro)

Brasília - DF - Ano XXXIII - Nº 188 – Abr / Mai / Jun 2006

 

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO OFICIAL TEMPORÁRIO (R/2)

O Exército Brasileiro, diante da necessidade de mobiliar os claros funcionais existentes no nível oficial subalterno e, também, em razão da Lei do Serviço Militar, criou o Quadro de Oficial Temporário Combatente/Apoio ao Combate e, recentemente, o de Serviço Técnico Temporário (STT). Esses dois grandes segmentos de oficiais temporários possuem seleção, formação e destinação diferenciadas.

OFICIAIS TEMPORÁRIOS COMBATENTES E DE APOIO AO COMBATE

São formados nos Centros de Preparação de Oficiais da Reserva-CPOR e nos Núcleos de Preparação de Oficiais da Reserva-NPOR os das Armas de Infantaria, Cavalaria, Artilharia, Engenharia e Comunicações, do Serviço de Intendência e do Quadro de Material Bélico. Os CPOR e os NPOR têm por missão básica promover a formação moral, ética, física e intelectual do corpo discente, preparando líderes para o desempenho da função de oficial.

A formação do oficial temporário está orientada para duas direções: aumentar a participação do segmento mais instruído da sociedade no Exército e proporcionar um melhor embasamento profissional militar aos tenentes temporários que irão comandar as frações elementares nos corpos-de-tropa em tempo de paz.
O Curso de Formação de Oficiais da Reserva é realizado em um ano letivo, em período de meio expediente. Nas primeiras semanas, durante o Período Básico de Instrução, o aluno é adaptado à vida militar, adquire os conhecimentos essenciais ao combatente terrestre e tem os valores físicos e morais aperfeiçoados. No Período de Formação e Aplicação, o conhecimento necessário ao desempenho profissional específico de cada Arma, Quadro ou Serviço é trabalhado segundo modernas técnicas de ensino. Em poucos meses, o jovem universitário incorpora as características desejáveis ao futuro oficial temporário de Infantaria, Cavalaria, Artilharia, Engenharia, Intendência, Comunicações e Material Bélico.
Após a solenidade de declaração de aspirantes-a-oficial do Exército Brasileiro, realizada ao término do ano de instrução, os melhores classificados são convocados para realizar o Estágio de Preparação de Oficiais Temporários, o EIPOT, em uma Organização Militar (OM). Após esse período, são promovidos ao posto de segundo-tenente, podendo permanecer no serviço ativo por mais alguns anos até retornarem à vida civil.
Os CPOR, ao longo de suas existências, vêm contribuindo na formação de parcela importante da elite intelectual do País. Por seus bancos escolares passam, anualmente, grande parte dos jovens brasileiros que estarão desempenhando, em alguns anos, papéis de liderança em diversos segmentos da sociedade. Os jovens retornam à vida civil marcados, em suas mentes e corações, pelo compromisso de amor e dedicação ao Brasil, típico do soldado.

CONDIÇÕES PARA INGRESSO:

• ser brasileiro nato;
• estar freqüentando o ensino universitário em estabelecimento escolar devidamente reconhecido pelo Ministério da Educação:
• ser solteiro:
• ser do sexo masculino:
• ser voluntário para servir no CPOR/NPOR: e
• ser declarado aprovado na Seleção Especial composta de exame médico, teste físico e entrevista, onforme a legislação vigente.

CPOR E NPOR

Atualmente, o Exército possuí cinco CPOR – sediados no Rio de Janeiro, em Porto Alegre, em Belo Horizonte, em São Paulo e no Recife – e 45 NPOR espalhados pelo território nacional.

OFICIAIS TÉCNICOS TEMPORÁRIOS

São selecionados entre os profissionais de nível superior das áreas de interesse do Exército: Ciências Agrárias, Biológicas, Saúde, Exatas, Humanas, Sociais Aplicadas, Engenharias, Letras e Assistência Religiosa (Católica e Evangélica). A formação militar tem a duração de 45 dias e pode ser realizada em qualquer OM do Exército. Os profissionais das Ciências da Saúde realizam o Estágio de Adaptação e Serviço (EAS), os demais realizam o Estágio de Serviço Técnico (EST).

O profissional candidato ao Serviço Técnico Temporário deve ter menos de 38 anos de idade em 31 de dezembro do ano de incorporação.

A inscrição dos candidatos se efetiva com o preenchimento da “Declaração de Voluntariado” e do “Compromisso para a Prestação de Serviço Militar Temporário” nas Regiões Militares.

No ato da inscrição, além do Diploma ou do Certificado de conclusão do curso de graduação, devem ser apresentados os seguintes documentos: Carteira de Identidade; Certificado de Reservista, Certificado de Dispensa de Incorporação (CDI) ou folhas de alteração para os reservistas; currículo profissional com Diploma e (ou) Certificado de Conclusão de Curso de área de interesse do Exército; Certidão de Casamento, se for o caso; comprovante de dependente, se for o caso; Certidão de Tempo de Serviço prestado em órgão público, se for o caso; comprovante de residência; consentimento expresso da autoridade eclesiástica competente para os voluntários ao Serviço de Assistência Religiosa do Exército; e outros documentos que se fizerem necessários.

ÁREAS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR DE INTERESSE PARA O EXÉRCITO

Ciências Agrárias: Engenharia Agrícola; Engenharia Florestal; Engenharia de Meio-ambiente.
Ciências Biológicas: Biologia Geral
Ciências da Saúde: Medicina; Farmácia; Veterinária; Odontologia; Educação Física; Enfermagem; Fisioterapia; Fonoaudiologia; Nutrição e Terapia Ocupacional.
Ciências Exatas: Computação; Processamento de Dados; Informática; Estatística e Matemática.
Ciências Humanas: Geografia; História; Pedagogia; Psicologia e Sociologia.
Ciências Sociais Aplicadas: Administração; Arquitetura e Urbanismo; e Biblioteconomia.
Engenharia
Letras
Assistência Religiosa: Padre católico romano e Pastor.

A ORIGEM DOS CPOR

Criado no ano de 1927 com o intuito de dotar o Exército Brasileiro de uma reserva mobilizável de oficiais combatentes, o Centro de Preparação de Oficiais da Reserva do Rio de Janeiro foi idealizado pelo Tenente-Coronel Luis de Araújo Correia Lima, segundo o conceito inovador de proporcionar aos jovens universitários a conciliação das atividades acadêmicas com o Serviço Militar Obrigatório. Em poucos anos, esse estabelecimento de ensino consolidou-se e prestou serviços relevantes ao País. Na II Guerra Mundial, uniram-se à Força Expedicionária Brasileira 433 tenentes, 12 capitães, seis majores e um tenente-coronel, todos formados no CPOR/RJ. Foram heróis brasileiros reconhecidos mundialmente por sua invulgar capacidade de luta e elevada coragem moral. Como exemplo, destacamos o tenente temporário Apollo Miguel Rezk, único brasileiro em toda a História a ser agraciado com a mais alta condecoração do Exército Norte Americano: a Distinguished-Service Cross (Cruz de Serviços Notáveis).

Fonte: Revista Verde-Oliva - Exército Brasileiro - http://www.exercito.gov.br/VO/188/oficialtemp.htm

Última atualização em Qui, 31 de Agosto de 2006 10:42
 

Galeria de Imagens

 

Usuários Online

Nós temos 12 visitantes online

CB Workflows